Saint Seiya RP

Outra Guerra Santa irá começar... Participe!


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

The Cursed Mysterious Island

Ir à página : Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 2 de 2]

1 The Cursed Mysterious Island em Dom Maio 06, 2012 5:40 pm

Game Master

avatar
Moderadores
Moderadores
Relembrando a primeira mensagem :

Prólogo


O jogo passa numa ilha perdida em algum lugar dos 7 oceanos terrenos, em que até mesmo a sua localização é um mistério, não tendo seus reais dados em qualquer mapa ou sistema de GPS. A ilha sofre de um misticismo de alto grau, recebendo influências estranhas, onde passado, presente e futuro se misturam. Sua existência confunde-se muito com o mito do Triângulo das Bermudas, onde por uma força mística desconhecida, aviões, navios, coisas, seres... Desaparecem e nem sequer vestígios são encontrados.

Não se sabe como se chega ali, já que, há um pequeno cemitério de naus espanholas e portuguesas, navios cargueiros, simples barcos de pescadores, barcos egípcios, barcos vikings e outras embarcações, em um recife ao sul. Além de resquícios de monomotores, aviões da segunda guerra, boings... Raramente vê-se um exemplar inteiriço na ilha, pois muitos deles estão em pedaços ou tem algumas partes "simbólicas" de seus conteúdos.

A ilha, de uma mata nativa e totalmente intocada, é composta por uma enorme montanha que pode-se ver que seu cume há um vulcão, que às vezes desperta, apenas sacolejando um pouco mais o pequeno pedaço de terra. Apenas dois rios de água doce existem em todo o território! Um é o mais visível e comum, uma pequena fonte mineral, que brota de algum canto da montanha vulcânica. Suas águas eram para ser quentes, porém ela se espalha por um pequeno bolsão de água, que segue uma cachoeira que dá para um pequeno lago límpido e assim, corre para o mar, através de um pequeno rio. O outro rio fica em outra extremidade da ilha, mas parece que esse rio sai de uma caverna, mas não se sabe o que há dentro desta, parece ser mais um dos mistérios da ilha. Bem próximo ao meio da ilha há um lago de tamanho mediano. Pode-se achar no meio da montanha vulcânica algumas fontes termais, o único problema seria escalar a montanha que é, além de alta, tem muitas falhas, podendo ser bastante perigoso.

Seu clima é bastante variado, não se tem uma certeza de épocas e durações, pode-se fazer um clima ameno por dias, assim como um clima quente e seco por duros meses! Há temporadas de chuvas claramente torrenciais que deixam o solo totalmente encharcado, deixando alguns lugares com difíceis acessos. Muitas vezes, em algumas luas, a maré enche, deixando a ilha praticamente sem praia, podendo o mar chegar à mata e invadi-la.

A flora é totalmente diversificada, variando de ervas medicinais, ervas culinárias e além de plantas venenosas! Tendo árvores de todas as espécies, ervas daninhas e apenas singelas trepadeiras. Estranhamente, existem plantas de diversas regiões e climas ou até mesmo espécies jamais vistas, muitas aparecem em seu clima típico ou regiões típicas. Podendo haver escassez de tais "plantas”, seu sumiço ou até mesmo surgimento repentinos, deixando o local ainda mais místico e estranho.

A fauna é tão diversificada quanto a flora. Há, nas partes mais próximas dos rochedos, alguns escorpiões, calangos e outros tipos de animais típicos de tal habitat; já na mata, pode se encontrar alguns quatis, morcegos e animais de pequeno porte como pacas, tatus e gambás... Como também de médio, como panteras ou onças e raramente os de grande porte como dragões de komodô! Não será impossível testemunhar a aparição de um animal extinto, seja ele mamífero, ave, peixe, réptil ou anfíbio, pré-histórico, ou não.

A fauna marítima, fluvial e pluvial é de acordo com a época, local e horário, tendo em abundância ou não. Insetos são praticamente a população local! Sua diversidade é gigantesca, variando dos comestíveis aos venenosos. Há alguns lugares que servem como "berçário" para aves migratórias e nesses ninhos, deixando-os em uma determinada hora, não se sabe ao certo se é do dia ou da noite.

Para sobreviver na ilha, além de ter pequenos conhecimentos de sobrevivência, os personagens terão que contar com a sorte e com algumas regalias dos "transportes" encalhados, torcendo para que produtos estocados ainda estejam consumíveis.


Antes de alguma postagem inicial, LEIA AS REGRAS
Clique aqui e LEIA!


_________________
Que os jogos comecem!!  

26 Re: The Cursed Mysterious Island em Qui Nov 29, 2012 1:55 pm

Aiacos de Garuda

avatar
Admin
Admin
- Vem cá, Aia. Até onde eu percebi, você também está sem seu cosmo. E ainda por cima com um nariz estropiado e cheio de urticária, enquanto eu estou em minha perfeita forma. Quem você acha que ganha em uma briga? Além do que... (…) – Você não manda em mim, Aiazinho.

«Meus ouvidos não conseguiram captar tal absurdo, mas senti seu dedo tocando em mim, aquele dedo repugnante e asqueroso. Imediatamente meu sangue ferveu, por mais uma vez, por causa daquele cavaleiro de merda, trinquei meus dentes e fechei meu punho, já ia dar uma de direta naquele cavaleiro de... Athena... Eu não ia mais virar meu rosto, já estava partindo para a ignorância, quando eu senti aquele baque e em sequência apenas vi tudo nublado, em pouco tempo me vi mergulhando na profunda escuridão....»

~Premonição~

Escuro... Pleno breu em meus olhos, a vaga sensação de vazio e flutuar no imenso vasto negro das trevas... Estranho! Ouço algo, uma doce e bela melodia! Tão calma! Tão doce! Quero adormecer... Porém não sinto sono... Aquela música! Ela... Me embalou! Aos poucos abro os olhos! Percebo que tem um frio a me envolver e uma luz forte! Começo a observar todo o local! Reconheço onde estou! Estou na Giudecca! A morada principal de meu senhor, o Imperador do Submundo, Hades-Sama! Que felicidade! Saí daquela maldita ilha, era apenas um sonho! Sorri!

- Que ótimo! Estou em casa! Com minha surplice! Não vejo a hora de estar em Antenora, tomar um bom banho e comer uma boa comida carregada no curry!- Suspirei ao imaginar algo tão bom. Ergui meu corpo e vi alvos cabelos flutuando na minha visão, era Minos, olhei de imediato, não acreditava que ele também estava ali! Inteiro, também com sua surplice, parecendo bem, até melhor do que eu! Mas na verdade, ele me olhava e muito, pois parecia indagado

- Do que diz, Aia? Você está bem? Por que fala de sua súrplice, Antenora, banho e.... Comida?

- É que... Nada! Acho que foi um sonho! *Riso* Sonhei que estávamos em uma ilha, no meio do nada, fudidos, ferrados, sem nossa surplice, até mesmo o cosmo! Absurdo não? - Dei um sorriso sem graça, estúpido. Senti um pequeno “hunf” vindo de Minos. Então ele se levantou, sim, nós dois estávamos no chão, uma estranha cena por sinal! Levantei-me, não sei porquê, por instinto, limpei-me. Ao olhar para Minos, ele continua a me olhar com um ar bastante estranho. Estava eu agora indagado! - O que foi Minos? Parece-me tão... Aéreo! - Caminhei até ele, fiquei bem a sua frente, toquei seu ombro e estreitei os olhos. - Houve alguma coisa, irmão?

- Estamos com problemas! Os cavaleiros de Athena invadiram o Submundo e acho que... Rhadamanthys precisa de nós! Vamos até ele! - Eu estranhei aquela atitude. Estamos sendo invadidos? E ainda por cima por inúteis que se acham guerreiros? Espero que, se for o cavaleiro dourado de câncer, juro que farei um embate um por um e ele vai ver como é o soco do Garuda! Parece que ainda sinto o meu nariz latejando e absurdamente! Mesmo assim, sinalizei com a cabeça que aceitaria caminhar junto com o meu "irmão", não sei porquê, mas aquelas palavras me atraiam, queriam que eu seguisse!

Caminhamos e chegamos à quinta prisão, aquele lugar um pouco sombrio e barulhento, das angústias das almas que ali padecem e vimos: Rhadamanthys e mais um inseto! Olhei para aquele ser de armadura dourada, um sensação enorme de brincar com aquele invasor foi tomando todo o meu eu. E eu, ao manifestar meu Galactica Illusion ouvi uma súplica e estranhamente os olhos de Rhadamanthys me pedindo clemência, como se defendesse aquele insignificante servo de uma asquerosa deusa. Olhei para ele, não iria obedecê-lo, mas vi apenas Minos brincando com aquele idiota de dourada armadura, transformando numa alegre marionete. Sorri. Mas meu sorriso foi encerrado por uma coisa que cortou as cósmicas linhas da Cosmic Marionetion, soltando aquele maldito infeliz de Athena

Vi ao longe aquele cosmo alaranjando, reconheci de imediato aquilo, o sangue subiu de uma maneira tão explosiva, que eu não sei se empurrei a todos os que estavam em minha frente, mas me dirigi àquele homem que só me dava repulsas. Encarei-o e a batalha, que era inevitável, aconteceu! Usei todas as minhas forças e tudo que eu podia mandar! Eu o derrotei! O vi estirado ao chão, delirei! Ganhei este maldito cavaleiro, que, para meus pelos, parecia algo que me arrepiava! Mas... Droga! O vejo levantar! De que é feito esse cara? Seu cosmo parece absurdamente maior!
“A força dele aumenta a cada ressurreição” Pensei em meio aquele fervor, aquele filho da puta renasce! Como... Como... Maldito seja, Fênix! ”Nesse caso, vou dar um jeito para que ele não ressuscite mais! Nunca mais!” Pensei novamente, meus olhos se estreitaram de uma forma totalmente pequena, queimei meu cosmo e berrei a plenos pulmões:
GALACTICA ILLUSION!

Era a minha melhor tática!! Meu golpe mais destruidor! Estava certo de levar aquele ingrato e inútil cavaleiro a sua definitiva morte! Mas, olhar para aquele homem, de olhar abusado e de uma classe, se aquilo pode se chamar classe, tão inferior, estava lá, ainda de pé e vivo, caminhando em minha direção, aquilo me irritou!

- Impossível!! Ele conseguiu se esquivar... Apesar da minha velocidade!! - Como era possível? Foi então que ele abriu aquela boca imunda:

- Quantas vezes preciso repetir que o mesmo golpe não funciona duas vezes? - Não é verdade... Isto não está acontecendo comigo! Justo eu?! Logo EU? Impossível! Eu sou um dos três juízes, estou entre os mais poderosos dos 108 espectros. Eu, Aiacos, não posso ser vencido por um simples cavaleiro de bronze!! NÃO MESMO!! Aquela voz ecoando na minha mente e o ódio crescendo dentro de mim, porém, me sentia fraco, não conseguia me mexer! Estava vulnerável ao meu inimigo e senti seu ardente golpe, aquele ardor que só o fogo proporciona! No meio das chamas, parecia ver lápsos de estranhas imagens, uma nuvem escura como um vórtex, visão de distorção de tempo e espaço, coisas confusas, depois me vi envolto de insetos, plantas, árvores, areia... Tudo parecendo em flashs rápidos, contínuos, como se fosse um turbilhão e eu me sentindo puxado... Mas puxado para onde?

«Uma nova escuridão me toma. Tudo parece um sonho ou seria uma ilusão? Não consigo me lembrar o porquê de tudo! Há um vago! Só me lembro que... Eu sou Aiacos de Garuda, a Estrela Celeste do Heróismo e que sou um juiz do Submundo e.... Só me atormenta aquela imagem, daquele homem, de olhar enjoado e armadura lavanda e púrpura!»

(AL)Deparei-me com um dilema: ajudar quem está no chão ou tentar resolver este estranho quebra-cabeça. Resolvi acudir o outro homem. Peguei o tecido branco que cinge a minha cintura e molhei-o na água, tomando o máximo de cuidado para não olhar Minos. Trouxe-o para perto do homem, amassando-o vagarosamente, com a mão que não estava ferida, para que a água caísse no rosto dele.

“Talvez isso o faça acordar.” – Pensei. Mantive-me calado apenas a molhar o rosto daquele homem.
«Sinto que gélidas gotas de águas derramam sobre o meu rosto. Isso me assusta... Quem poderia estar derramando água em mim? Abri meu olhos, esbugalhei-os, possivelmente meus olhos se formaram duas cristalinas bolas púrpuras como ametistas! Não via nada, apenas sentia a luz quente e brilhante do sol, além da água que escorria em meu rosto. Aos poucos, minha visão se tornava mais cristalina. Agora vejo um ser de belos traços, de lisos e compridos cabelos turquesas, tinha um ar de preocupado e amassava algo branco na direção de meus olhos, foi aí que eu entendi o que era aquela água em meu rosto. Segurei em sua mão, olhei firme para ele»

- Quem é você?

«Após soltei sua mão. Estava tão desnorteado que tentei erguer meu corpo, senti uma enorme dor na cabeça, tanto que levei minha mão até ela. Ao abrir os olhos novamente, me vi naquele paradisíaco lugar! A floresta, o calor do sol, o som de cachoeira, olhei tudo, maravilhado.»

- Onde estamos? Você sabe me dizer? E... que sensação de enjoo!! - Sim, sentia diversos enjoos, levei minha mão à boca e soltei um leve arroto, foi quando em repousei minha mão sobre a minha boca que senti um leve inchaço, não só isso, mas também uma sensação incomoda no nariz. - O que aconteceu... COMIGO?

«Observei meus braços e vi as placas avermelhadas, algumas, pareciam feridas, analisei aquilo com calma, além de sentir o cheiro de planta, tive meu parecer... Eram urticárias! Estive próximo há alguma urtiga? Era tudo muito confuso para mim! Dores de cabeça e no nariz, inchaço, feridas de urtiga nos braços... Então fui me olhar! Vi que estava apenas de cueca, além das manchas que se prolongavam também pelo meu corpo. Senti minha pele colante e suja. O que houve realmente comigo? Levantei-me.»

- Acho que vou tomar um banho... Não me sinto bem!

«Afastei-me daquele belo homem e segui para onde havia o som de água. Deparei-me a um lago límpido e belo, de águas cristalinas e dela, avistei Minos... MINOS? Arregalei novamente os olhos ao ver meu querido irmão naquelas águas. Do nada, um baque de flashbacks me assolaram e uma enorme dor de cabeça começou a me atormentar. Cambaleei um pouco, mas não caí... O que aqueles flashs queriam me dizer afinal das contas? Gostaria que alguém me explicasse com mais clareza...»





** Desculpem em por praticamente e totalmente a luta do Aiacos com o Ikki pela enésima vez. Juro que será a última! Só que há um porém!!! A luta, como percebem NÃO é um flashback e sim uma premonição, pois ele cita a ilha e o que o MdM fez com ele.

** Ah, antes que eu me esqueça!! Alguns trechos da luta dos dois foram retirados do manga.

** Como perceberam, ele viu a verdade que aconteceu na ilha (SIM, ele viu tudo acontecer, não quis entrar em detalhes porque eu nãofaço meta-jogo, então fica a entender que, quando ele estava no meio da "crise" de premonição, ele viu como TODOS surgiram), mas ele NÃO vai se lembrar e nada vai fazê-lo lembrar DESSA cena. Por dois motivos: ele está sem memória e porque eu não quero -_-

** Só pra informar, ele tá sofrendo de falta de memória parcial. Então, desde que ele acordou da ilha até o momento que ele tomou a trollada com o coco foi apagado, vai ser lembrando aos poucos.

O próximo agora é Aphrodite. Gente, tá acabando!! Daqui a pouco vai vir os inéditos... UHUUUUUULLL!!!! \o\


_________________

गरुड़ Αιακός... मैं खगोलीय वीरता का सितारा हूँ
http://desciclopedia.ws/wiki/Garuda

27 Re: The Cursed Mysterious Island em Dom Dez 02, 2012 6:29 pm

Afrodite de Peixes

avatar
Principiante
Principiante
Isso... só... pode... ser... um... PESADELO! Aquele tipo de pesadelo em que você não acorda antes da pior coisa acontecer.

E eu já me achava em péssimas condições... mas os deuses, que adoram brincadeiras de PÉSSIMO gosto, tiveram a ideia de me fazerem chafurdar em uma enorme poça de lama!

Não, mas o pior não foi isso. Eu poderia muito bem me banhar. O PIOR que pôde me acontecer foi ser visto por alguém... ainda mais por ESSE alguém...






Eu ainda estava com o Aiacos nos braços quando ouvi o que parecia ser a voz do Afrodite. Larguei aquele peso de cima de mim, deixando-o num bando de folhas e fui em direção à voz para ver o que era.

Realmente era o Afrodite. Em cima de uma poça de lama, com o cabelo todo cheio de galhos e folhas, a roupa toda molhada e até rasgada em uns pontos, olheiras e sem maquiagem nenhuma, mas ainda era o Afrodite. Não aguentei ver aquilo e gargalhei! O mais alto que pude! Apesar dos problemas, aquela ilha era muito divertida!

- Afrodite, você por aqui?

Eu bem que queria continuar provocando o mesmo, mas não tinha fôlego para falar de tanto rir! Ademais, eu realmente estava feliz por ver um rosto amigo por aqui, mesmo sendo o afrescalhado do Afrodite. Segurei o riso um pouco e estendi a mão para que ele levantasse.



Máscara da Morte. O ÚLTIMO cavaleiro que eu gostaria que me visse nesta situação.

(Ok, acho que seria pior se fosse aquele Misty de Lagarto, o "Miss Segundo Escalão". Mas estou falando de homens, não de insetos...)

E ele está RINDO de mim! Odeio quando riem de mim. Sinto algumas lágrimas de raiva se formarem. Ah, não! Por mais que meu orgulho esteja ferido - destruído, enlameado e agonizante - não vou começar a chorar como uma criança sofrendo bullying!

Vejo Câncer me estender a mão, o riso um pouco mais controlado. Eu realmente não quero ajuda desse cretino, mas minhas pernas estão tão bambas pelo choque que provavelmente terei dificuldades em sair da poça sozinho. Com o meu melhor olhar de desprezo, aceito a ajuda de Máscara, levantando-me.

Certo, vamos minimizar o estrago. Nada de postura envergonhada, sou Afrodite de Peixes! Empertigo-me, ajeito minha camisa que um dia foi branca, pigarreio para limpar a voz.



- Não sei do que está rindo, Máscara. Nunca ouviu falar de lama como tratamento estético?


Tá bom. Nem eu me convenci disso. Mas eu precisava dizer alguma coisa, e nesses momentos desconfortáveis é que saem os piores absurdos.

Já que minha presença foi enfim revelada, ao menos posso me dirigir ao lago sem medo. E devo confessar que ver um companheiro de Santuário - ainda que um companheiro rindo de mim - dá um certo alívio, sem contar que ele provavelmente possa me esclarecer algumas coisas. Passo por ele, retornando à área próxima ao lago.



- Afinal, que fim de mundo é esse? Como viemos parar aqui, não me lembro de quase nada! Lembro-me do Muro das Lamentações, estávamos nos sacrificando lá... e quando vi acordei na areia! Por acaso os outros também estão vivos? Onde estão os outros?


Fixo meus olhos sobre o homem que esteve desacordado momentos atrás. Reconheço-o de súbito. Sussurro para Máscara, meus músculos se enrijecendo em alerta.


- Máscara... aquele homem... não era um dos três Juízes do Inferno? O que aquele bastardo está fazendo aqui?


Era só o que me faltava, né? Preso neste lugar, imundo, sem cosmoenergia, e ainda por cima encontrar um assecla de Hades pela frente! Que não parece estar em bom estado, por sinal... mas como também estou péssimo, nem perco tempo me apiedando.

É quando meus olhos pousam em outra pessoa no lugar, alguém que eu não tinha visto antes de cair no lamaçal.

Longos cabelos da cor dos meus, embora mais lisos. A pele clara, o porte parecido. O rosto... os olhos...

Pelos deuses, até a pinta!

Não sei o que dizer. Sinto um estranho choque de reconhecimento percorrer o meu corpo, quase de forma sobrenatural. Sinto um arrepio.



- Mas... mas que bruxaria é essa???

28 Re: The Cursed Mysterious Island em Ter Dez 04, 2012 2:07 pm

Aiacos de Garuda

avatar
Admin
Admin
«Após sentir a leve tontura causada por não sei o quê, olhei tudo a minha volta, além de ver aquele estranho e belo ser, que parecia preocupado comigo, além de avistar um pouco ao longe, mais ou menos a uns cinco metros de distância, mais duas cabeças azuladas entre as matas. Não soube distinguir o que seriam e o que eram aquelas cabeças, e também naquele momento não me interessava em saber. Acabei olhando para o chão, vi uma roupa negra embolada e um pano avermelhado junto, deduzi em ser minhas roupas, só pelo estilo de roupa e ainda mais, era uma das minhas melhores, tive a certeza de serem minhas! Peguei-as, separei uma a uma, sacudindo-as e colocando mais ajeitadas a uma pedra com traços planos. Retirei minha box ficando totalmente nu. Ignorava quem e qualquer coisa que ali estivesse, apenas queria tomar um banho, retirar aquela gosma de meu corpo e sentir-me limpo.»

«Estando agora como vim ao mundo, senti a pequena ardência daquelas feridas das urticárias, proporcionadas pelo calor do sol que batia no local. Minha morena pele deveria estar reluzindo com todo aquele brilho, é muito estranho ser um dos poucos morenos do Submundo... Além de mim, só tem o Pharaoh! Aos poucos avançava para aquele lago, sentei em uma pedra e coloquei pé em sua gélida água, arrepiei-me por causa do contraste de temperatura. Por fim, entrei naquela água. Não me doía os ossos e nem as urticárias, mas continuei a tremelicar, até o corpo se acostumar com aquela nova temperatura. Com a água pela cintura, submergi, apenas para umedecer meus cabelos. Ainda estava bem próximo à borda do lago, coloquei os braços em torno de algumas pedras, parecia que estava em uma piscina. Então olhei para meu amigo.»

- Minos... A água aí tá boa? Sabe... Aqui a borda nem tá tanto... O sol tá bem quente! «Falei em um bom tom de voz, de uma forma bem sarcástica.»

«Olhei para os lados, ainda ignorando tudo, até mesmo a resposta de meu irmão, acabei mergulhando. Aproveitava aquelas águas que antes estavam um gelo que só! Nadava em direção de Minos, para ficar próximo a ele. De início, queria assustá-lo, mas achei abuso o meu e apenas me aproximei, pois queria estar próximo a ele e ver se ele poderia me ajudar a retirar a minha dúvida e informar onde estaríamos e quem eram todas aquelas pessoas que estão a nossa volta e o motivo de tudo.»

- Namastê⁽¹⁾ Minos! Se te assustei, perdoa eu, tá?! «Após o abracei, dando-lhe um "xêro".» - Eu sei que estou invadindo sua privacidade, mas também sei que, assim como eu, você não se incomoda que eu apareça assim, sem mais nem menos, porém... Eu precisava muito me limpar! Estava grudento, com cheiro de planta, além de estar de cueca! «Parei alguns segundos de falar e lembrar das minhas dúvidas» - Irmão... Você sabe quem é aquele homem? E você sabe onde estamos?

«Estava cara a cara com o Minos, eu poderia ouvi-lo, além de apontar para aquele rapaz, que antes havia jogado água em meu rosto. Continuava abraçado a ele, um abraço quase que o pegando pelas costas. Olhava-o, esperando sua resposta ansiosamente, colocando meu queixo em seu ombro, sem pesar ali ou até mesmo machucá-lo. Precisava saber quem era aquele homem esguio de lânguidos cabelos turquesas e tão branco quanto meu colega, em que bendito lugar nos encontrávamos, isso sem contar com as dores e as feridas que eu estou. Minhas esperanças eram de que meu irmão pudesse sanar essas dúvidas!»




Notas:
(1)Namastê – Serve como "oi", "olá". Também pode ser empregada como "Tchau", "Até mais", "Adeus". Apenas dependendo da conotação na frase.

Aí Galera, só faltam DOIS turnos, um de Minos e outro de MDM... Aí entremos na nova fase, as inéditas!!! \o/


_________________

गरुड़ Αιακός... मैं खगोलीय वीरता का सितारा हूँ
http://desciclopedia.ws/wiki/Garuda

29 Re: The Cursed Mysterious Island em Qua Dez 05, 2012 7:06 pm

Minos de Griffon

avatar
Admin
Admin
*Escutei algumas conversas ao meu redor, sim, não sou nenhum maluco para estar perto daquele cavaleiro venenoso e de um psicopata como Death Mask e permitir-me ficar alheio ao que acontece ao meu redor! Sempre em alerta, observei de esguelha a movimentação de Albafica. Mesmo de costas para ele, podia monitorá-lo tranquilamente, afinal, com cosmo ou sem cosmo, ainda sou um guerreiro... um espectro... um Kyoto! Pegar-me de surpresa não seria assim tão fácil!*

*Estranhei a confiança que meu ‘irmão’ deu ao santo de Atena ao deixá-lo tratar de suas costas, mas pensei melhor ao me lembrar que aquele idiota já era um inútil com cosmo, sem cosmo então, era inofensivo! E pensando assim, cheguei a sentir uma pontada de ciúmes ao ver Mask tão próximo de Aia. Quanto a Albafica, que seria o verdadeiro perigo por bem dizer ainda ter uma... ‘arma’, também é um santo e tem princípios... Não poderia nos fazer nada, pois também não estamos fazendo nada de mais, com certeza não atentaria contra nós.*

*Conclusão; posso relaxar e tomar meu banho tranquilamente. Não que eu não precise ficar atento, pois pode surgir algo perigoso da mata como animais ou nativos de alguma tribo selvagem. Não sabemos se aquele local é habitado ou não. Mas em relação aos dois cavaleiros que se encontram conosco, posso relaxar. Até por que estamos eu e Aia e dois cavaleiros, todos sem cosmo, a situação está equilibrada afinal.*

*Isso era o que eu pensava até ver uma movimentação na mata. Estreitei meus olhos, apreensivo, voltei meu olhar para Aiacos e Mask que estavam a discutir, pela ‘enésima’ vez, perto do local onde a mata se mexeu. Eles não notaram a movimentação entre os arbustos! Mas eu não poderia gritar para eles, pois se fosse uma fera ou um nativo selvagem poderia atacá-los e era Aia ali com aquele canceriano inútil.*

escreveu:*Ansioso, emitindo quase um gemido de satisfação, afasto uma cortina de arbustos, saindo da mata aliviado. Dou alguns passos e... prendo a respiração de susto!*

- Takker gudene!¹*murmurei voltando a relaxar. Nunca pensei que diria isso ao ver um santo de Atena, mas... fiquei aliviado! Era apenas Afrodite quem saía dentre os arbustos. Suspirei tranqüilizando-me. Sei que não estamos mais em 'pé de igualdade’, pois agora são três cavaleiros de ouro e dois Kyotos, mas... também sei que não estamos em meio a uma guerra santa e pelo menos não foi nenhum animal feroz ou um ser tribal que apareceu. Além do mais, aquele afetado é tão inútil quanto Mascara da Morte, não há com que me preocupar. Pelo menos, não por enquanto, mas é bom ficar de olho nesses dois, pois são traiçoeiros!*


escreveu:«Virei meu corpo, direcionando-me para o caminho de pedras e lodo, para por fim, mergulhar na mais cristalinas das águas! Mas... Não sei que diabos houve, que do nada, fui trollado por um coco! Sim, no exato momento do início de minha caminhada, um bendito e infeliz coco na filhadaputice, acertou-me a cabeça, em cheio, na lata! Foi uma atitude tão bem planejada pelo vegetal que acabei nocauteado... EU!! JUSTO EU?? Ou melhor... POR QUE EU, CARALHO?? ISSO JÁ É PERSEGUIÇÃO!! E foi um baque tão forte, que meu corpo girou e caiu de fronte ao cavaleiro de câncer...


- Aiacos! *acabei por gritar ao ver meu amigo ser nocauteado por um coco. Já nadava na direção em que ele estava quando vi Albafica, que estava bem mais perto, caminhar em sua direção e abaixar-se ao lado de Mask balbuciando alguma coisa que me foi impossível escutar devido ao ruído da água. Já ia gritar para Albafica afastar-se de Aiacos, pois além de achar estranho ele se aproximar e falar tão amigavelmente com o canceriano, ainda temi que acabasse por intoxicar meu irmão. Porém, algo me chamou atenção:*


escreveu:*Fico surpreso ao ver o infeliz despencar em cima de Máscara da Morte, desequilibrando-o. Aquela ruptura de tensão me deixa alerta e decido aproveitar a distração para correr de volta à mata. Todavia, no meu afã de me embrenhar entre os arbustos, tropeço em... uma... MALDITA... raiz saliente e...*

- Oh, NÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOOOO!!!!!!


*Afrodite correndo de volta para a mata como o diabo foge da cruz e levando um SENHOR tombo na lama! Ah... não agüentei! Aquilo foi demais para mim! O cavaleiro de ouro mais afetado que já vi em toda minha existência, que já se encontrava bem descabelado e sujo, chafurdar-se na lama?! Acabei por cair na gargalhada, e não fui o único, pois Death Mask também me acompanhou!*

“Realmente... não sei por que ainda perdi meu tempo preocupando-me com a presença desses dois. São verdadeiros inúteis!” *pensei deixando a graça de lado e voltando minha atenção para Aiacos, que precisava de minha ajuda e se encontrava sob os cuidados duvidosos de Albafica e o que eu vi me deixou assustado, obviamente, por motivos que não preciso mencionar, completamente enciumado também.*

escreveu:«Aos poucos, minha visão se tornava mais cristalina. Agora vejo um ser de belos traços, de lisos e compridos cabelos turquesas, tinha um ar de preocupado e amassava algo branco na direção de meus olhos, foi aí que eu entendi o que era aquela água em meu rosto. Segurei em sua mão, olhei firme para ele»


*Estaquei onde estava sentindo um calafrio percorrer minha espinha. Aiacos segurando a mão daquele ser venenoso?! Mas logo ele o largou, levantando-se e levando a mão à cabeça, depois à boca, finalmente ditou algo que novamente não deu para ouvir de onde estava e, depois de separar suas roupas, caminhou em minha direção. Novamente pude relaxar, já que Aia afastara-se do pisciano venenoso, acabei por sorrir discretamente e fingir-me distraído. Aiacos é tão orgulhoso quanto eu e com certeza ficaria constrangido ao saber que eu vi aquela cena deplorável protagonizada por ele e... um coco.*

*A dor nos ossos e o grande mal-estar causados pela água gélida em contato com minha pele, aos poucos se dissiparam, acredito eu que minha febre se foi devido ao tratamento de choque do banho, ou à minha apreensão com os acontecimentos recentes. Aos poucos me costumei com a água e finalmente concentrei-me em apreciar aquele momento maravilhoso de higiene e contemplação pessoal. Como era bom sentir-me limpo e não ter mais aquela sensação de ardência em minha pele!*

*Sei que a ardência dos ferimentos voltará tão logo eu deixe este lago e o calor dos raios do sol volte a afligir-me, mas não será a mesma coisa, pois minha cútis estará bem mais limpa.*

*Precisava esfregar –me para tirar o sangue seco em minha pele, que não saiu tão facilmente em contato com a água, então deixei o lago natural e fui até a margem, onde estavam minhas roupas, pegando minha camiseta de puro algodão, seria uma ‘esponja’ bem macia!*

escreveu:
- Minos... A água aí tá boa? Sabe... Aqui a borda nem tá tanto... O sol tá bem quente! «ele perguntou um tanto sarcástico e eu sorri malicioso.»

- Ah... Água de cachoeira é fria mesmo, mas já estou acostumado com o frio, então não me incomodo. *Respondi irônico. Gostava dessas provocações maliciosas com meu irmão, até porque eu sabia bem como acabava aquela brincadeira de gente grande.Pena que estávamos em público...*

- Mas talvez você precise de um pouco de calor humano para suportar água tão Gélida! *Completei ao retornar ao lago e afastei-me um pouco, nadando para o centro do lago, a fim de deixar Aia mais a vontade, afinal, depois de ser atacado por um coco assassino, talvez ele preferisse ficar quieto na dele. Embolei o tecido fino e macio, improvisando uma esponja e esfregando-me com ele. *

*Senti Aiacos aproximar-se, eu sabia que mais cedo ou mais tarde ele se aproximaria de mim, pois sempre, desde que nos conhecemos, a serviço de Hades-sama, fomos assim; carne e unha. E logo tive a confirmação ao escutar sua voz.*

escreveu:- NamastêMinos! Se te assustei, perdoa eu, tá?!

*Ele murmurou próximo ao meu ouvido e enlaçou-me a cintura fungando no meu pescoço, o que causou-me arrepio e fez-me encolher o pescoço. Creio que após os últimos acontecimentos, tenho o direito de relaxar um pouco, não é mesmo? Até porque, depois de dar de cara com aquele pisciano idiota, não estou me sentindo mesmo muito bem.*

escreveu:- Eu sei que estou invadindo sua privacidade, mas também sei que, assim como eu, você não se incomoda que eu apareça assim, sem mais nem menos, porém... Eu precisava muito me limpar! Estava grudento, com cheiro de planta, além de estar de cueca!

- Aia... você nunca me incomoda, não seja tolo. Aproveite a água, relaxe um pouco e refresque-se... Suas urticárias devem reduzir depois de um bom banho. *balbuciei deitando a cabeça em seu ombro e acariciando os braços fortes que me enlaçavam. Virei um pouco o rosto para ele e sorri discretamente. Queria que Aia se sentisse acolhido depois de tantos contratempos.*

- E quanto à privacidade... *voltei meu olhar para os três cavaleiros que estavam mais adiante e torci levemente os lábios* Isso, meu bom amigo, é algo que não teremos tão cedo, não enquanto continuarmos neste local.

escreveu:-Irmão... Você sabe quem é aquele homem? E você sabe onde estamos?«...Continuava abraçado a ele, um abraço quase que o pegando pelas costas. Olhava-o, esperando sua resposta ansiosamente, colocando meu queixo em seu ombro, sem pesar ali ou até mesmo machucá-lo. Precisava saber quem era aquele homem esguio de lânguidos cabelos turquesas e tão branco quanto meu colega, em que bendito lugar nos encontrávamos, isso sem contar com as dores e as feridas que eu estou. Minhas esperanças eram de que meu irmão pudesse sanar essas dúvidas!»

- Quem? Aquele que parece com Afrodite? *perguntei deixando o sorriso morrer e mostrando meu aborrecimento.* Albafica, cavaleiro de peixes que serviu ao santuário na guerra santa de mil setecentos e quarenta e três. *respondi seco.*

- Não me pergunte o que esse bastardo faz aqui, muito menos como ainda respira sobre esta terra, pois tenho certeza de que o matei antes de ser selado naquela guerra. *falei um tanto amargo.*

- De alguma maneira ele está vivo e não envelheceu um dia sequer desde o ocorrido. Isso não pode ser obra de nosso imperador, não há motivos para que Hades-sama o trouxesse de volta da morte. * Suspirei incomodado com o assunto, não queria falar sobre aquele homem, muito menos lembrar-me do passado.*

- Mas por enquanto deixe estar, preocupemo-nos apenas com este momento, você precisa de um pouco de minha atenção. Deixe-me esfregar suas costas e massagear um pouco sua cabeça. *Cortei aquele assunto e desfiz delicado seu abraço, virando-me para ele e encarando aqueles orbes púrpuros tão profundos. Logo o puxei, invertendo nossas posições e enlaçando-lhe a cintura e massageando suas costas com a ‘esponja improvisada’. Sabia que isso lhe daria algum alívio, principalmente naquela água tão fria!*

- Vamos apenas curtir um pouco este banho, tudo bem? Precisamos recuperar-nos do cansaço e limpar nossos ferimentos. *sussurrei carinhoso ao pé de seu ouvido e abracei-o. * Enquanto isso, fiquemos apenas a observar os acontecimentos. Mais tarde, depois de conseguirmos comer algo, podemos verificar as redondezas e tentar achar um lugar seguro para passarmos a noite. Amanhã é outro dia, quem sabe não descobrimos onde estamos e conseguimos sair daqui, não é mesmo?




¹Takker gudene! = Graças aos deuses!




É isso aê, gentem!!! Estamos na reta final! Agora só falta a nanda a postar!

Portanto, rezemos a todos os deuses para que ela não demore muito a aparecer, não é mesmo?!

Pois bem; Vou aproveitar esta minha última postagem antes das inéditas para avisar que após o turno de Death Mask, não haverá ordem certa para postagem e todos estarão livres para postar quando quiserem!

Porém, não deixem de postar pelo menos um turno por semana. É o mínimo esperado dos players. Lembrem-se: A ação do personagem do teu colega, depende da tua, então cuidado para não prender os personagens alheios, heim!

Divirtam-se!


_________________
http://rpg-saintseiya.forumeiros.com

30 Re: The Cursed Mysterious Island em Seg Dez 10, 2012 9:48 am

Máscara da Morte_TCMI

avatar
Principiante
Principiante
Reparo na cara de ódio que Afrodite faz quando vê que eu estou lá. Vejo que os olhos dele começam a lacrimejar e decido que não vou conseguir segurar a risada se ele abrir o berreiro aqui mesmo.
- Afrodite, você por aqui?
Estendo minha mão para ajudá-lo a se levantar. Ele devia estar realmente muito mal (ou chocado) para aceitar minha ajuda. E ainda levanta com o mesmo ar de não-me-toque e ainda tenta se aprumar, como se fosse possível melhorar alguma coisa, de tão deplorável que o peixinho estava.

- Não sei do que está rindo, Máscara. Nunca ouviu falar de lama como tratamento estético?
Isso era tão absurdo que nem me dei ao trabalho de rir da cara do Afrodite, visto que nem ele acreditou no que disse. O ignorei enquanto ele andava em direção ao lago.
Ele podia ter arranjado uma desculpa melhor. Ou ficado calado, era mais digno

.
Afinal, que fim de mundo é esse? Como viemos parar aqui, não me lembro de quase nada! Lembro-me do Muro das Lamentações, estávamos nos sacrificando lá... e quando vi acordei na areia! Por acaso os outros também estão vivos? Onde estão os outros?
- Realmente não sei, Afrodite. A última coisa que me lembro é de virar porpurina no Muro das Lamentações. Só sei que aqui estão o Ai...
Não pude terminar por que o filho da puta me interrompeu.

- Máscara... aquele homem... não era um dos três Juízes do Inferno? O que aquele bastardo está fazendo aqui?

- É o que eu ia explicar quando você me interrompeu!- retorno nervoso. Eu tinha me esquecido que o Afrodite me irrita. - É o Aiacos de Garuda. O encontrei na praia, foi a primeira alma que encontrei aqui nesse fim de mundo. O Minos também está por aí, então não me espanto se eu der de cara com o monocelhudo.
Então o Afrodite entrou em estado de semi-piti ao ver o clone dele que estava ajudando o Aiacos desfalecido. Eu nem tinha percebido que ele tinha chegado tão perto. Vejo o Aiacos se levantar, parece que ele tinha ganho a batalha contra o coco, e começar a conversar algo com o clone do Afrodite que eu não prestei atenção, para depois ir em direção ao lago, provavelmente fazer companhia ao Minos. Huahuahua, o Aiacos parecia estar bêbado.
De repente, me vi sozinho com aqueles dois. Imaginei o quanto Afrodite estava se sentindo humilhando, já que o Clone estava em um estado colossalmente melhor que o lastimável que Afrodite se encontrava. Eu ainda estava com fome, então fiz o melhor que pude.
Ignorei completamente aqueles dois e fui em direção ao pé de banana que eu tinha acabado de avistar.

---
Um dia de atraso *do que eu tinha combinado com o Aia-chan
Desculpem ignorar o Afrodite e o Albafica no final do post, mas é que eu estou de férias da facul, o que significa que estou sem local de internet, xDDD, então eu tirei o MdM para não atrapalhar ninguém.
A boa notícia (são duas, aliás) é que:
1: ESSE É O ÚLTIMO POST “RESPOSTADO” o//
2: Vão colocar internet lá em casa no meio desse mês (é sério 8D. Estoy mega feliz), então o MdM volta assim que colocarem internet lá em casa. A previsão é de 15 a 20 de dezembro 8D.


31 Re: The Cursed Mysterious Island em Seg Dez 10, 2012 6:49 pm

Hypnos

avatar
Principiante
Principiante
*Mais uma vez, a tenacidade dos seres humanos me surpreendera.Eu via minha sapuri partir-se em pedaços, enquanto sentia minha alma ser tragada para dentro da urna que seria minha prisão nos próximos duzentos anos.*

* _ Humanos são realmente uns idiotas....Mas, mesmo assim, esplêndido! – estas foram minhas últimas palavras, antes de ser totalmente sugado para meu exílio.*


*Abro meus olhos lentamente, estranhando aquela claridade toda, ao contrario do que pensei, o meu local de exílio não era mal provido de luz....mas sim, uma bela praia. “ Devo estar sonhando”, Logo pensei, sentando-me para olhar ao redor.Ainda estava um pouco tonto, sentia meu corpo fraco, pesado, resultado, obviamente do ataque que recebi.*

*Olhando melhor, percebi que havia uma mata nativa logo atrás de mim, e, do outro lado, naquelas águas salinas encontravam-se apenas alguns rochedos, e o que eu poderia definir como pedaços de madeira.Então, esse seria o lado interno daquela maldita urna?Arqueei minha sobrancelha, continuando a observar tudo.Uma pergunta veio em minha mente: Por acaso eu estaria sem cosmo também?Olhei para minhas próprias mãos, tentando concentrar meu cosmo, entretanto, sem sucesso.Ora essa.....como poderia ser tão tolo?Se fui selado, com certeza meu cosmo também fora drenado.Deixei escapar uma risada no canto da minha boca. “Realmente, aquele humano não era alguém para se subestimar....” *

*_ E agora?O que tenho que fazer? – murmurei, levantando-me.Resolvi primeiramente caminhar em torno da praia, não seria prudente de minha parte adentrar em uma floresta tão fechada, pois, mesmo sendo um deus, não sabia o que poderia ocorrer neste local, principalmente por que estava sem cosmo.*

*Não sei por quanto tempo andei sobre aquela areia fina e branca, ouvia apenas o sussurrar do vento e o barulho das ondas do mar quebrando.Por mais que andasse, não encontrava ninguém, o que ia me deixando mais aflito, a cada hora que passava.E, para piorar tudo, provei de uma das piores sensações que alguém poderia ter....sentia minha garganta seca, meu corpo implorava por água, que, para minha infelicidade, não estava presente em parte alguma.*

*_Mas não é possível que nesta ilha não tenha água em parte nenhuma....- murmurei comigo mesmo, olhando ao meu redor. Pela primeira vez, eu, Hypnos, deus conselheiro e estrategista das tropas de Hades, realmente não sabia que rumo tomar.....isso é frustrante.....Respirei fundo, tentando pensar em uma saída....pelo que me lembre, os humanos geralmente comentavam algo sobre “todo rio desembocar no mar”....Mas por que diabos eu nunca chegava neste maldito rio??*

*Caminhei mais um pouco, até que, vencido pelo cansaço, resolvi sentar-me à sombra de um dos coqueiros próximos à praia, retirando meu sobretudo, pois o calor daquela ilha era insuportável......até que, de repente, sou surpreendido por um coco, que caíra próximo a mim, por pouco não acertando a minha cabeça....peguei o fruto, e o examinei...pelo que me lembre, aquele fruto continha água dentro, portanto, precisaria apenas abri-lo para saciar minha sede....Ótimo....mas com o que??Olhei ao redor, procurando por alguma pedra que me ajudasse com essa tarefa, e acabei por encontrar, próximo à beira do mar, um pedregulho pontiagudo. Peguei-o e tentei abrir aquele fruto, bati várias vezes sobre ele, mas era mais resistente do que parecia...até que por má sorte, acabei atingindo minha outra mão que segurava-o, provocando um corte profundo....*

*_ Droga!!!!- exclamei, apertando o ferimento com a outra mão, tentando estancar o sangue. – Isso só pode ser uma piada dos outros deuses!!! – apressei em enrolar minha mão em meu sobretudo. Estava realmente confuso sobre o que acontecia naquela ilha.....




________________________________________________________

Finalmente a vez dos novatos chegooou!!!\o/

Pessoal, peço que não reparem muito, pois é a primeira vez que escrevo turnos para forum.....prometo que melhorarei!^^ Beijos!



Última edição por Hypnos em Sex Jan 11, 2013 5:37 pm, editado 1 vez(es)

32 Re: The Cursed Mysterious Island em Sex Jan 04, 2013 8:28 pm

Thanatos

avatar
Veteranos
Veteranos
Abri meus olhos e fiquei confuso com o que vi. Eu estava em uma floresta fechada e tudo o que via era basicamente verde. Estava tudo silencioso, e se eu prestasse bastante atenção, dava para ouvir um som que parecia água. Não era nenhum lugar que eu conhecia, então eu desconsiderei a hipótese de estar no Yomotsu ou nos Elíseos. Eu me levantei e limpei o pó de minhas roup...

... roupas que não eram o quê eu vestia quando jogava xadrez com o Hypnos. Eram roupas humanas simples. Fiz cara de asco.

Foi quando eu percebi o sol forte que batia e aquele calor insuportável.

Decidido a não ficar mais nenhum minuto ali, elevei meu cosmo, única e exclusivamente para ficar frustrado com a tentativa.

Eu não tinha cosmo. Ou parecia não ter.

Isso só podia ser uma pegadinha de algum deus que não tinha medo da Morte. Seja lá quem fosse, iria pagar caro, muito caro.

No meio de meus devaneios sobre qual método de tortura utilizar antes de efetivamente matar o autor de tal disparate, senti uma coisa que eu nunca havia sentido antes.

Era como se algo em meu corpo quisesse sair, se forçando para baixo fortemente. Eu tentei impedir; nada no meu corpo iria sair sem minha permissão, ora essa!

Só que a sensação foi ficando mais forte, até ficar um pouco dolorida e foi ficando cada vez mais difícil de segurar aquela parte do meu corpo que queria fugir.

Quando eu já não aguentava mais, um líquido quente e malcheiroso saiu do meu baixo ventre. Me assustei; aquilo nunca havia acontecido antes.

(eu também nunca havia parado em um lugar que eu não conhecia sem saber como, nunca fiquei sem cosmos e também nunca havia utilizado roupas humanas, mas relevei o fato)

Comecei a achar que o ar estava envenenado e que eu ia me liquefazer até a morte, por pura ironia, quando o líquido cessou.

Suspirei de certa forma aliviado (e ainda mais irritado), quando ouvi algo (ou alguém) caindo.

Movido pela curiosidade e pelo desejo de me desestressar , fui em direção ao barulho.


.---.

Oiiem.

Nunca fiz nada sério com o Thanatos e não quero que ele fique OOC, então, caso este post tenha ficado ruim (ou horrível) ou em caso de dica, PM-me

33 Re: The Cursed Mysterious Island em Dom Jan 06, 2013 8:08 pm

Máscara da Morte_TCMI

avatar
Principiante
Principiante
Depois que saí de perto de onde Afrodite estava, fui em direção à bananeira que eu tinha visto. Não era longe.

Eu estava puto de fome e nunca me senti tão feliz como quando eu vi aquele cacho enorme, lucente giallo¹ , sorrindo para o meu lado.

Saí correndo feito uma ragazza² em direção à banana. Tentei tirar o cacho da bananeira (que estava à beira da água, mais acima no rio), mas percebi que só dava para tirar todas as bananas de lá com uma faca ou algo assim.

Dei de ombros. Não era como se eu fosse sair distribuindo banana por aí.

Peguei algumas bananas e me sentei ao pé da bananeira para comer. Depois de me sentir um porco de tanto ter comido tanto, me levantei e peguei algumas bananas de reserva. Olhei para o céu e vi que não dava para ver o sol no meio de tantas árvores, mas deduzi que, já que eu tinha um rio perto de mim e fonte de banana, eu já podia fazer um abrigo para que eu pudesse passar a noite.

Olhei para cima e entre as árvores que estavam por perto e vi que tinha uma com muitos galhos na horizontal que podia servir até para alguma coisa que prestasse.

Quando eu já me preparava para ir buscar Afrodite para que ele me ajudasse a montar o rifugio³, ouvi um barulho muito forte de algo caindo.



.----.
¹ amarelo reluzente
² moça
³ abrigo

Óh eu aí de novo! Eu não sou boa em colocar o MdM falando italiano (sério é?) então perdoa-me :'

34 Re: The Cursed Mysterious Island em Dom Jan 06, 2013 8:34 pm

Hypnos

avatar
Principiante
Principiante
*Ao mesmo tempo que eu começava a pensar sobre o que acontecia naquela ilha, mais aquela horrível sensação de sede invadia meu corpo, então, deixei de lado a dor que aquele maldito ferimento me causara, e voltei a tentar quebrar aquele fruto.*

*Bati mais algumas vezes sobre ele com a pedra, até que finalmente consegui. A água brotava de dentro do coco, tive sorte de encontrar um cheio.....apressei-me a beber aquele líquido que caía muito bem sobre minha garganta, fazendo-me sentir uma sensação deliciosa de “sede saciada”. Entretanto, logo após esse momento de alegria, novamente, senti-me confuso, e preocupado....não sabia mais que rumo tomar, não sabia por quanto tempo ficaria aqui, neste lugar.....*

*Suspirei, levantando-me e olhando ao redor....bem....eu já havia andado pela praia, e não consegui encontrar nada, nem ninguém....então...por que não tentar a sorte pela floresta?Olhei para aquele lugar em que o verde predominava, um pouco receoso...*

*_Bem.....acho que não custa tentar.... – murmurei comigo, colocando meu sobretudo nos ombros e adentrando aquela floresta. Senti um calafrio na espinha, deve ser aquela sensação que os humanos chamavam de “medo”....não gostei nem um pouco de sentir isso....não mesmo.....*

*Caminhei por bastante tempo por aquele lugar, cada barulho de pequenos animais que eu ouvia, meu “medo” aumentava.......por que não achava ninguém??Estaria eu sozinho aqui??Quanto mais me via perdido em meio àquele labirinto verde, mais o desespero começava a tomar conta de mim....logo, eu não sabia que rumo tomar, ou como voltar para o lugar em que saciei a minha sede....eu deveria estar enlouquecendo.....*

*Parei próximo a uma grande árvore para respirar e pensar melhor no que poderia fazer, até que tive a súbita idéia de subir nela para ter uma idéia da dimensão deste lugar. Na verdade, esta fora uma péssima idéia, já que tive a infelicidade de subir em um galho podre, que quebrara, fazendo com que eu caísse no chão, batendo minha cabeça*

*A última coisa que me lembro, antes de desmaiar, foi de ter ouvido alguém se aproximando...espero que não seja nada que me trará problemas....*

35 Re: The Cursed Mysterious Island em Dom Abr 28, 2013 3:08 pm

Aiacos de Garuda

avatar
Admin
Admin
Ainda me encontrava abraçado ao meu querido irmão, sentindo não apenas aquela água bem mais gelada e agradável, que aliviava os incômodos das urticárias que coçavam, como também, aquele corpo tão conhecido por mim e por minhas mãos. Após apontar para aquele que jogou água em meu rosto, abaixei aquela mão e voltei a abraçá-lo sentindo sua pele mesmo em toda aquela água fria.

- Quem? Aquele que parece com Afrodite? *perguntei deixando o sorriso morrer e mostrando meu aborrecimento.* Albafica, cavaleiro de peixes que serviu ao santuário na guerra santa de mil setecentos e quarenta e três. *respondi seco.*

- Não me pergunte o que esse bastardo faz aqui, muito menos como ainda respira sobre esta terra, pois tenho certeza de que o matei antes de ser selado naquela guerra. *falei um tanto amargo.*

- De alguma maneira ele está vivo e não envelheceu um dia sequer desde o ocorrido. Isso não pode ser obra de nosso imperador, não há motivos para que Hades-sama o trouxesse de volta da morte. * Suspirei incomodado com o assunto, não queria falar sobre aquele homem, muito menos lembrar-me do passado.*

Ele me respondia e eu não me importava com aquilo. Eu lá queria saber de vidas passadas, se este envelheceu ou não? Sendo uma escória de Athena, não hei de me importar com essas pestes que infectam ainda mais este inútil mundo. Apenas Hades-Sama que me interessa! Sua volta, seu reino, seu domínio! Terei enormes prazeres em torturar esses malditos que sempre nos atrapalham há eras. Ainda sentia aquela água deliciosamente gelada, meu corpo já estava mais que acostumado àquela temperatura fornecida conforme ficava ali. Deleitava-me com aquele abraço, até que eu senti algo se mexendo... Era Minos.

- Mas por enquanto deixe estar, preocupemo-nos apenas com este momento, você precisa de um pouco de minha atenção. Deixe-me esfregar suas costas e massagear um pouco sua cabeça. *Cortei aquele assunto e desfiz delicado seu abraço, virando-me para ele e encarando aqueles orbes púrpuros tão profundos. Logo o puxei, invertendo nossas posições e enlaçando-lhe a cintura e massageando suas costas com a ‘esponja improvisada’. Sabia que isso lhe daria algum alívio, principalmente naquela água tão fria!*

Ele falou sobre esquecer aqueles seres... Acho que nem precisava tocar neles, são insignificantes demais para que eles sejam lembrados! Não sei o porquê de ainda falar deles! Então Minos ditou em nos preocupar conosco, cheguei a menear a cabeça afirmando, porém ele ainda se mexia, dizendo que eu precisava de sua atenção. Corei de leve, mais uma vez ele me tratando como se eu fosse o bebezinho do grupo e aquilo me chateava!

- Minos não...- Tentei manifestar, para que ele não desse valor aos “cuidados”, mas era tarde demais, ele conseguiu desfazer do abraço que eu havia feito e indo para as minhas costas, emburrei imediatamente, fazendo um pouco de beiço. Senti que suas pernas contornavam a minha cintura, além de algo sendo esfregado em minhas costas, fazendo um leve massagear. Aquilo era um alívio! A sensação de ardência sumia conforme minhas costas eram esfregadas e passadas nos locais certos. Cheguei a suspirar diversas vezes, sentindo aquele espetacular alívio. De repente, assim do nada, arregalei os olhos, tive uma leve impressão que havia sentido algo parecido recentemente, dei de ombros e continuei aproveitando aquela massagem tão agradável de meu irmão

- Vamos apenas curtir um pouco este banho, tudo bem? Precisamos recuperar-nos do cansaço e limpar nossos ferimentos. *sussurrei carinhoso ao pé de seu ouvido e abracei-o. * Enquanto isso, fiquemos apenas a observar os acontecimentos. Mais tarde, depois de conseguirmos comer algo, podemos verificar as redondezas e tentar achar um lugar seguro para passarmos a noite. Amanhã é outro dia, quem sabe não descobrimos onde estamos e conseguimos sair daqui, não é mesmo?

Minos continuava abraçado a mim. Senti meu corpo arrepiar com aquele sussurro dado ao pé de meu ouvido, ele sabia como me provocar e tirar-me a compostura. Mas seu abraço, tão acolhedor, parecia ser o que eu mais necessitava naquele instante. A sensação que eu tinha era estranha! Sentia-me carente e aquele abraço proporcionava-me uma calmaria e tranqüilidade. Queria recostar minha cabeça no peito de meu irmão, mas nós iríamos afundar. Então repousei minhas mãos em seus braços que me envolviam, esfregando-os de leve.

- Uhum... – Grunhi manhoso em resposta a ele. - Vamos aproveitar este agradável e estranho momento, depois procurar tudo com calma, em principal, um lugar para descansarmos! – Após levei uma de minhas mãos ao rosto de Minos, puxando de leve sua face e tocando meus lábios, mesmo levemente inchados e doloridos, a sua bochecha de pele alva e macia.


AE CARAAAAAAAAAAAY!!! Consegui! UHULL!!! \o\ Demorou mais nasceu! *Aiacos correndo que nem retardada em círculos, parecendo o Rock Balboa*
Desculpem a demora, mas houve MUITOS contratempos. Esperamos seguir para nossa programação normal!


_________________

गरुड़ Αιακός... मैं खगोलीय वीरता का सितारा हूँ
http://desciclopedia.ws/wiki/Garuda

36 Re: The Cursed Mysterious Island em Ter Maio 14, 2013 12:01 pm

Thanatos

avatar
Veteranos
Veteranos
Eu andei uns bons metros até chegar ao local de onde vinha o barulho. Eu estava cada vez mais irritado, pois minhas pernas estavam molhadas e fétidas e começavam a comichar.

Eu também estava sentindo uma sensação ruim no meio do abdômen, e não perecia boa coisa.

(na verdade, era como se meu corpo tivesse decidido fazer um motim)

Quando eu finalmente chego onde eu deveria chegar, qual não é minha surpresa ao me deparar com o Hypnos, deitado no chão, perto de alguns galhos quebrados.

De todas as pessoas que eu esperava encontrar, com certeza do Hypnos é a melhor hipótese, mesmo a despeito de nossas diferenças. Também há o fato de que eu não gostaria de estar naquele lugar sozinho, mesmo que a presença do Hypnos sugira que há alguma trama mais aprofundada por detrás disso tudo, e não apenas algum louco que decidiu que não morrer era uma boa idéia¹.

Ele estava desmaiado, ao menos parecia estar desmaiando quando eu cheguei. Decidi que um Hypnos desmaiado não me seria útil, então comecei a dar tapas na cara dele até que ele acordasse. Fiquei um bom tempo nisso, aumentando gradativamente a força, até que dei um tapa tão forte que ele acordou.

Esperei que ele se recompusesse para então tomar iniciativa.

Eu estendi a mão para Hypnos, para ajudá-lo a levantar. Eu não estava com humor para caçoar dele, e, o conhecendo como conheço, isso ocasionaria intrigas entre nós dois e, assumindo que somos os únicos nesse lugar, desavenças não são bem vindas.

- Você está bem, irmão? – perguntei, preocupado. Hypnos tem cara de lunático, sim, mas não de doido varrido como a que carregava agora – Você se machucou?


-----

¹ assumindo que, assim como na mitologia, prender o Thanatos significa que ninguém mais no mundo morre; sabem, a história do Sísifo-que-rola-a-pedra-morro-acima.

Desculpem a ligeira demora :p Parei por aí (mesmo que minha inspiração diga para continuar) por que senão eu ia acabar tomando liberdades no lugar do Hypnos, já que Thanatos está em uma situação vergonhosa e não sei como o Hypnos vai reagir (costumo contatar ela antes para que eu antecipe esse tipo de situação, mas dessa vez não deu :p)

(a falta de quotes se dá pela minha falta de tempo ahuahau)
o/



Última edição por Thanatos em Ter Maio 14, 2013 12:04 pm, editado 1 vez(es) (Razão : Só separei um parágrafo que ficou junto)

37 Re: The Cursed Mysterious Island em Qua Maio 15, 2013 3:04 pm

Hypnos

avatar
Principiante
Principiante
* Desmaiar é, realmente, algo muito estranho....você não vê mais nada, tudo se torna uma escuridão só, até que alguns sonhos estranhos lhe vêm à mente e você começa a sonhar com seu próprio irmão lhe batendo com força no rosto. O mais engraçado de tudo isto é que realmente eu estava sentindo aqueles malditos tapas....sentia na minha pele uma ardência na região de minhas bochechas....a cada tapa aquela dor piorava, foi quando eu realmente me dei conta de que não era um sonho, e sim, a realidade em pessoa...quando tentei abrir meus olhos, era tarde demais: levei um tapa muito forte no rosto, me fazendo soltar um gemido de dor, involuntariamente. Minha cabeça girava, eu não conseguia me concentrar em falar com meu irmão, estava muito aliviado por tê-lo encontrado, queria saber como ele estava, se já sabia lidar com este lugar (afinal, ele fora aprisionado pela urna antes de mim), mas a única coisa que consegui fazer foi colocar as duas mãos no rosto para me recuperar daquilo. Por sorte Thanatos não fez nenhuma de suas costumeiras gracinhas, eu não estava com humor para isto....aliás, nunca estava.*

Thanatos escreveu:Esperei que ele se recompusesse para então tomar iniciativa.

Eu estendi a mão para Hypnos, para ajudá-lo a levantar. Eu não estava com humor para caçoar dele, e, o conhecendo como conheço, isso ocasionaria intrigas entre nós dois e, assumindo que somos os únicos nesse lugar, desavenças não são bem vindas.

* Após alguns minutos, finalmente consegui me recuperar, segurei na mão de Thanatos, levantando, e tirando aquelas folhas que ficaram grudadas em meu corpo. Olhei para ele, e não consegui conter um sorriso. De todas as pessoas que poderia encontrar, com certeza Thanatos seria a melhor escolha. Coloco meu sobretudo, tirando-lhe o pó e as folhas secas. *

Thanatos escreveu:- Você está bem, irmão? – perguntei, preocupado. Hypnos tem cara de lunático, sim, mas não de doido varrido como a que carregava agora – Você se machucou?

*_ Estou bem....por sorte não me feri quando cai....o que foi?- percebo que ele fazia uma cara muito estranha ao olhar para mim, e arqueio a sobrancelha, soltando um suspiro. – Afinal de contas, por onde você andou? - aproximo-me de Thanatos (sinceramente, na situação em que eu estava psicologicamente, a minha vontade era de abraçá-lo, mas o meu orgulho ainda continuava intacto e não permitiria tal ação). Foi quando senti um cheiro muito forte e desagradável por sinal, vindo de meu gêmeo. – E....que cheiro é esse? Está tudo bem com você? - o olho preocupado*

* Ainda possuía várias perguntas a fazer para ele, mas algo mais agora me atrapalhava, além daquela maldita dor de cabeça: sentia um grande vazio no meu abdômen, e ele agora começava a fazer alguns barulhos esquisitos. Tento me lembrar de como os humanos o chamam e como geralmente se livram disso, mas nem conseguia me concentrar em pensar em algo, tamanha era a mistura de sentimentos que estava experimentando.*





----------------------------------------

Pessoal, espero que o post tenha ficado bom.....^^ Estava um pouco enferrujada para escrever....kkkkk beijos!!! Agora espero que o forum continue!!!o/



Última edição por Hypnos em Qua Maio 15, 2013 3:06 pm, editado 1 vez(es) (Razão : esqueci de colocar as minhas anotações no fim!XD)

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 2 de 2]

Ir à página : Anterior  1, 2

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum